Rio de lixo

Um pântano dentro de mim. Não. Pobre do pântano. Um rio inteiro completamente poluído. Já fui límpida, coloria o céu quando a luz do sol me visitava. De manhã oferecia água fria para despertar os mais corajosos, e a tardezinha água morna para relaxar quem vinha da labuta ou simplesmente…

Leia mais

Maldita

Eu sigo ela fica. Eu parto ela permanece, involuntariamente, por gerações. Intocável tal qual anjo do mal, é como tatuagem distorcida em meus descendentes. Nada pior para me representar, uma marca de destruição e dor em meio a preconceitos e solidão. É o que deixo sem ser consultada. É o…

Leia mais

Prazer

Delícia deslizar sobre sua textura sentir meu instrumento rolando, roçando, passeando sobre sua alvura macia. Quando é nova e a cubro pela primeira vez há o prazer do perfume peculiar. A partir daí todas as vezes, ao percorrer verso ou reverso seu, sinto o que deixei marcado do outro lado.…

Leia mais

O grito

Grita a dor um grito mudo perturbador, um grito profundo explosivo ensurdecedor. Grita a dor um grito latejante indistinto lavado em lágrimas, impulsivo saído às pressas nascido à força, rasgando entranhas. Grita a dor seu grito fumegante um grito mais alto do que o som, sem barreiras. O grito da…

Leia mais

Mãe não é só mãe

Flores, estrelas, amor, lágrimas, sacrifícios, corações, poemas sobre as mães, sacrifício santo feito diariamente sem reclamar… E nas festinhas escolares sobram anjinhos cantando e mamães chorando. Depois os anjinhos crescem, trocam os cânticos romanceados por palavras e atitudes bem mais realistas e nem sempre lindas no relacionamento com as mães…

Leia mais

Canto da sereia

Soltem meus braços soltem meus passos parte de mim já seguiu e o que seguram é uma carcaça inútil e vergonhosa. Deixem-me seguir mesmo por caminhos tortuosos. Caminhos não ferem, nós nos ferimos ao longo deles, mas pessoas, como feras, mastigam e regurgitam pedaços moídos de mim. Deixem-me ir e…

Leia mais

  • Arquivos