Novos dias

Eu, muda, observo.

Eles trazem mil possibilidades

E mil enganos.

 

Eu, nua, observo.

Há medo em atirar-me

A tanto por construir.

 

Eu, muda,

Hei de ser enterrada

Para poder florir.

2 Comments

  1. Jandira Silva da Silveira

    “Esse desconhecido amor…”
    Que nos bate à porta quando pensamos que tudo nos abandona.
    Ele vem de um primo, de um amigo, de uma médica… Ou até mesmo redescobrir o amor de um pai que se encontra tão perdido quanto nós mesmo.
    “Tá com medo? Vai com medo mesmo…”
    Sempre te vi, Renata, indo e buscando encontrar você em meio a toda a confusão que era você mesma…
    Você não precisa ser enterrada para poder florir. Você é igual a determinadas plantinhas que basta colocar em um copo com água e ela renasce de si mesma.
    Tive essa experiência essa semana com um talo de manjericão que ganhei dentro de uma garrafa com água em uma festinha junina que fui. Pensei… ele vai murchar, é só um talo arrancado de um pé firme de manjericão. Mas deixei ele lá e trocava a água só pra ver se ele floresceria e daí eu poderia plantá-lo em terra firme. E hoje ele está criando suas próprias raízes e bem verdinho.
    Existem pessoas assim, que são arrancadas de suas raízes e pensamos que não vão resistir e um belo dia surge uma Renata, uma Maria, uma cristina…
    Admiro a sua resiliência, Renata, e sua caminhada de amor…
    “Deus te proteja e te faça feliz!” (era assim que minha avó dizia)
    Um grande abraço
    Jandira

    • Obrigada minha muito querida Dra. Jandira! Tive a sorte de ter ao meu redor pessoas que me ajudaram e ajudam muito, que entraram em minha vida pra nunca mais sair, assim como você! Agradeço a Deus pelos que me rodeiam, porque sem vocês já não haveria mais essa Renata por aqui…! Obrigada por se fazer sempre presente! Beijo bem grande no seu coração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Arquivos