Gestação de risco

Lembro quando perguntei para minha primeira médica se eu poderia engravidar novamente, por causa do tratamento para o transtorno bipolar. Ela foi taxativa: “Não. Fique boa e cuide dos dois filhos que você já tem”. Mas eu sempre quis ter mais um, e anos depois ele veio. Então eu estava com outra médica, que também não recomendava a gravidez mas a acolheu quando esta veio.
Escrevo sobre isso para dialogar com mulheres bipolares que ainda não têm filhos e se debatem entre dúvidas. Lembrei de minha irmã, que tem lúpus e a quem também recomendaram que não engravidasse. Ela teve duas gestações de altíssimo risco mas que deram certo.
Eu paguei um preço alto, tive que interromper o tratamento e isso me custou uma crise das mais severas. Precisei de alguma medicação no último mês e o bebê nasceu com os reflexos mais lentos, o que durou os primeiros dois dias.
Fora essa questão prática tem um medo existencial: não quero ter filhos e correr o risco de passar adiante esse transtorno…
Arrisquei. Colho as lágrimas e os louros.

About Renata Maia

Aprendiz da Vida, paulistana, alforriada, jornalista, suicidologista, ativista na luta contra a psicofobia, escritora, mãe de três futuros (Pedro, Clara e Davi), e de Esperança. Fundadora, em João Pessoa / PB, da Associação Vida Nova de Estudo e Apoio a Familiares e Portadores de Transtorno Bipolar ou Depressão - recomeçar é da nossa natureza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Arquivos