Deixando de ser ameba

Ele me chega com um mundo de possibilidades e um infinito de incertezas.
Traz nos olhos uma candura sublime e na voz uma gravidade que não condiz com sua juventude.

Ele me chega com um mundo nas costas.
Tanto peso… Peso demais para o menino que habita o homem.

Ele me chega com sua beleza surpreendente escondida sob grossos aros e longos fios.

Ele me chega com a alma recuada e pesar nas palavras entrecortadas

Assim ele me chega… um homem pronto para eclodir, subestimando suas próprias forças.

Eu o vejo grande, gigante diante da vida, guerreiro adormecido.
Eu o vejo como um sopro de jovialidade que não me permite pensar em outra coisa a não ser o presente.

Amanhã não sei se existirá, mas sei que a mulher que ele despertou estará dentro de mim, pronta para amar novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Arquivos