Resgate

No interior de uma caverna

habito há anos.

Protegida do sol,

da chuva e do vento,

de olhos e línguas.

Uma caverna

como a de Platão

em que só vejo sombras,

e imagino ser este todo o mundo.

Sombras.

Não conheço o sol que as projeta

não conheço as formas que que as desenham

e as assisto passeando diante de mim.

Além das pedras que me guardam                                        Ás vezes mesmo a luz amedronta.

há o esplendor

há o brilho

que receio que existam,

porque em um segundo meu lá fora,

podem queimar minha vista.

Às vezes mesmo a luz amedronta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Arquivos